Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade.

Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

VALORIZE O SEU POTENCIAL:Um exercício para o ano novo

 
 (Texto de Bianca Ganuza)

" A maioria das pessoas vive física, intelectual ou moralmente em um círculo muito restrito de seu potencial. Elas usam uma parte muito pequena de sua possível consciência e dos recursos de sua alma, em geral, de modo muito semelhante a um homem que adquirisse o hábito de usar e mover somente o dedo mínimo." WILLIAM JAMES (in: M.J, Ryan: A aventura de viver seus sonhos, pg. 106, Ed Sextante)

                     As ciências humanas, em particular a psicologia, dedicou boa parte dos seus estudos ao longo da história para nossas patolologias e dificuldades. Sabemos um pouco sobre o que nos limita, mas infinitamente menos sobre os possíveis caminhos para desenvolver nossas potencialidades.
                     Essa lacuna de um saber tão imprescindível foi abordada por estudiosos como William James, Jung, Maslow, Rogers e mais recentemente pela inteligência emocional, a psicologia positiva, a ecologia emocional, a psicologia transpessoal e por diferentes abordagens de coaching.
                     O fato é que a frase de William James é bastante verdeira, vivemos restritos em nosso potencial.
                     Certamente você é capaz de muito mais do que imagina. Mas antes de mais nada, vale a pena ter mais consciência das qualidades e habilidades que você já possui. Quando perguntamos para alguém quais são as suas qualidades, a lista em geral é bastante restrita. Em processos seletivos isso ocorre com bastante frequência e para evitar errar (o que pode ser um erro) muitos candidatos se restringem a características padrão, como por exemplo, minha maior qualidade é ser responsavél e minha maior dificuldade é ser perfeccionista (em geral isso é dito para tentar agradar o entrevistador).
                      Uma boa proposta para o início do ano é reconhecer o seu potencial, fortalecer o que já existe de melhor em você. Para isso você precisará se observar, analisar o seu comportamento, as suas reações, mas para ajudá-lo nessa tarefa, vamos propor um exercício simples, porém revelador.
                      Pegue um caderno, sua agenda de 2011 ou crie um arquivo em seu computador de uso pessoal. O importante é você poder ter acesso facilmente às suas anotações.
                      Lembre-se, a proposta do exercício é
RECONHECER O SEU POTENCIAL
                      
Comece escrevendo a palavra FORÇAS, reserve um espaço onde você irá listar o que você considera como sendo pontos fortes em você. Procure pensar em situações específicas da sua vida em que ficou claro a presença dessa habilidade ou qualidade. Você pode voltar à sua lista quantas vezes quiser, às vezes, uma lembrança ou nova circunstância aparece trazendo uma  percepção ou faz refrescar a sua memória. 
                      Reserve outro espaço para DECEPÇÕES PRODUTIVAS. Nesse campo você irá pensar em situações da sua vida que pareciam negativas ou desfavoráveis, mas que você foi capaz de superá-las ou através dela adquiriu um novo aprendizado.
                      No último espaço escreva OPORTUNIDADES. Nesse campo você irá pensar, diante das circunstâncias que está vivendo atualmente, quais as oportunidades de desenvolvimento de qualidades e habilidades que a vida está te oferecendo.
                      Uma dica importante é realmente escrever seus pensamentos para que assim você visualize com maior clareza cada campo.
                      Bom trabalho e valorize suas riquezas!


fonte: http://ateliedaalma.com.br/blog/

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

MARCAS DA VIDA - (Thomas De Quincey)

Cuida da imagem que você anda deixando por onde passa.
Que lembrança você anda gravando nas pessoas?
Você é o símbolo da alegria, da bondade, da esperança
ou vive amargurada e passa para todo mundo a dor,
a revolta, o desespero, a falta de esperanças?
Por onde você passa você fala de realizações,
de boas energias,
tem sempre uma boa notícia, uma palavra amiga,
um gesto de esperança,
ou leva contigo a reclamação, a agonia, o gemido constante,
os olhos sempre úmidos de lamentação?
Onde você chega as pessoas se aproximam para cumprimentar
e querem te abraçar com festa
ou se afastam com mil desculpas pela sua negatividade?
Se alguém te der um espelho agora,
seu rosto vai mostrar a alegria
de quem tem a certeza da vitória,
ou a tristeza de quem se acostumou
com a dor e a derrota?
Seu rosto é a expressão de quem espera alguém
ou alguma coisa para ser feliz,
ou de quem já vive feliz com o que tem?
Marca a tua caminhada pela Terra
com marcas que nunca se apagam,
escreve com o coração tudo o que fizer, assim,
as dores serão passageiras rápidas na tua vida.
Carrega em você a semente da alegria e
distribua para todos que se aproximarem de você,
assim nunca te faltarão amigos dispostos
a dividir o peso da sua jornada.
Conquiste amigos em todos os lugares por onde andar
e conquistará um tesouro eterno,
que nenhum ouro poderá pagar.
Que a sua marca de vida seja a alegria, assim,
deixarás para sempre, uma lembrança suave
de quem será amado para sempre.

domingo, 26 de dezembro de 2010

Aparecida - O Milagre - por Orson Peter Carrara

A fé é mesmo uma virtude extraordinária! Devendo ser respeitada em suas manifestações tão  variadas, ela é capaz de prodígios, movendo montanhas diversas onde se incluem a incredulidade, o medo, a teimosia, a vaidade, a resistência, a má vontade e outras tantas de nossas imperfeições humanas, entre eles o preconceito e o maior deles, o egoísmo.

A fé é mãe da esperança e da caridade. Caridade que não se restringe à doação de coisas, mas principalmente nas manifestações de tolerância, respeito com as diferenças e esforço pelo amor ao próximo. A fé é recurso vital para uma vida de equilíbrio e serenidade, autêntico alimento para alma.
Essas considerações todas surgem com o belo filme Aparecida, O Milagre, produção nacional de parceria de importantes e conhecidas produtoras, com direção de Tizuka Yamazaki. Belíssima produção, exaltando os reais e imprescindíveis valores da fé. A fé católica, que tantos benefícios têm produzido ao longo do tempo, tão marcante no Brasil, está expressa de maneira muito fiel na produção para o cinema, destacando esse aspecto arrebatador e contagioso da fé sincera, humilde, que confia e entrega-se aos valores espirituais. 

O filme emociona e leva às lágrimas, pela própria história, mas também pela trilha musical e melhor: traz aos nossos corações essas reflexões importantes decorrentes das lições de vida que nos levam aos aprendizados que necessitamos fazer para dobrar nossa arrogância, nosso “nariz empinado”, nossa vaidade, como normalmente acontece com nossas posturas humanas. Somente o sofrimento mesmo é capaz disso e a fé surge como recurso incomparável para conforto e norteamento nesses instantes de sofrimentos e angústias.

Bendita a fé! A fé sustenta, acalma, encoraja, abre perspectivas que o desespero é incapaz de mostrar e, não importando a crença, é bálsamo e alimento para alma. Realmente não importa a crença, pois a fé é recurso da alma. É secundária a forma de manifestação da fé, pois o que prevalece é o sentimento de fé, é a intenção de honestidade e sinceridade que vai pela alma. E é isso que Deus vê e percebe. É de nossa humildade e sinceridade que alcançamos a Deus e não com barganhas ou rebeldias.

Sentimento inato, ela também convida ao raciocínio e deve ser incentivada como foi de maneira direta no belo filme. Ela, a fé, deve ser construída gradativamente por todos nós dentro do coração e do raciocínio, pois que dela precisamos como precisamos do alimento que mantém o corpo que usamos, independente da crença que elegemos. Por isso toda crença deve ser respeitada, pois há valores em cada crença que não suspeitamos nem compreendemos em sua amplitude e Deus tem caminhos que desconhecemos. Aliás, Deus não nos vê como evangélicos, espíritas, católicos ou budistas, ou mesmo seguidores do islamismo. Não! Deus nos vê como filhos. Esquecemos, por vezes, que somos todos irmãos... E, em cada estágio de entendimento que estejamos Deus atende sempre com sua grandeza e bondade. 

Embora a fé possa apresentar-se cega e gerar fanatismo quando levada aos excessos e raciocinada quando procura analisar os fatos e ocorrências, ela não se impõe e ninguém está privado de possuí-la. O fato final, porém, é que há realidades espirituais que não vemos, há verdades que estão acima de nosso limitado conhecimento e curta visão. Por isso devemos respeitar o que não compreendemos ainda ou nem conhecemos devidamente e procurar viver com dignidade, decência e bondade, pois que não é religião que salva e sim o comportamento que adotamos perante a vida. Sim, salvação aqui no sentido do equilíbrio que preserva dos grandes desastres morais tão comumente vividos por aqueles que se distanciam de Deus.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

25 de Dezembro

por Orson Peter Carrara


Apesar da data simbólica, o ambiente é diferente. A cada ano, as luzes – ainda que externas – oferecem um colorido agradável e a sensibilidade se eleva pela própria vibração daquele que é o Luz do Mundo, o Modelo e Guia para a Humanidade.
Ele tomou ainda o cuidado de enviar Francisco de Assis, Vicente de Paulo, Irmã Dulce, Madre Tereza, Zilda Arns, João Paulo II, Chico Xavier, Martin Luther King, Mahtma Gandi, Bezerra de Menezes, Eurípides Barsanulfo, Helder Câmara, Cairbar Schutel, Mandela e tantos outros nomes que encheriam essa página, pois que também enviou aqueles que não ficaram conhecidos ou famosos, mas todos se distinguiam por algo comum: vivenciaram o amor. Era para não nos esquecermos da sublime mensagem.
Mesmo em nossas pequenas cidades interioranas não será difícil localizar benfeitores que se destacaram pela vivência plena de sua mensagem de amor ao próximo. Muitos deles analfabetos, pobres e todos eles com algo que os caracteriza: a simplicidade, a humildade e principalmente a marca das adversidades, de dificuldades de toda ordem, e também a incompreensão, perseguição, calúnias.
Mas é pela doce presença de Jesus que a vida pode se tornar mais suave. É dele a inspiração para esses nomes que mudaram a face do mundo, pois que perceberam que a única solução para os grandes dramas sociais e mesmo para as angústias individuais – de todas as origens – é mesmo a presença de Jesus no coração, na vivência familiar, no toque especial dos relacionamentos.
Convidemo-lo seriamente para estar conosco em família nesta Noite de Natal, mas façamos disso uma presença perene durante todo o ano. Comecemos pela adoção da tolerância, da fraternidade pura em família que se estenderá depois para a sociedade. Atentemos que sua doutrina de amor resume os deveres para com Deus e para com o próximo. Pensemos seriamente quais seriam nossos deveres para com Deus e como entender efetivamente os deveres para com o próximo. Ora, não são outras as conclusões senão a confiança na vida, o estender de mãos da solidariedade uns para com os outros, o respeito pelas diferenças, a vivência da solidariedade e a extinção gradativa do egoísmo ou dos ímpetos agressivos, ainda que verbais ou mentais.
Jesus efetivamente nos convida ao amor. E o amor está mais no gesto do que no fato. O amor une as criatuas, extingue as misérias sociais (pensemos na abrangência dessa expressão) e traz como resultado o aprimoramento moral e a felicidade relativa que se pode alcançar nesta vida.

Analise-se calmamente as Bem-Aventuranças e se sentirá o doce perfume do conforto que abriga, que aconchega, que convida à paz e à harmonia. Como disse Gandhi, se fossem perdidos todos os ensinos e ficasse apenas o Sermão do Monte, de nada mais precisaríamos para pautar a vida na dignidade e no amor que precisamos para viver.


Por isso nessa data especial, o sentimento que surge é o da gratidão!
Obrigado Senhor, pela sua presença, pela sua vida, pelo seu amor! Fica conosco Jesus. Ajuda-nos a endireitar nossos passos vacilantes na senda do bem.
Aos leitores, nosso abraço de um Feliz Natal, com Jesus no coração!
http://orsonpetercarrara.blogspot.com/

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Estudo sobre a maledicência

Significado de Maledicência


s.f. Qualidade de quem é maldizente.
Ação de falar mal de alguém, com a intenção de denegrir, de deprimir.
(Do Lat. maledicentia)

"A BOCA FALA , DAQUILO QUE ESTÁ CHEIO O CORAÇÃO..."

Como vemos o maledicente tem a intenção de denegrir a imagem do outro. Mas por quê?
O que o move a essa atitude?
Nós também somos maledicentes?
Qual sentimento interior esta em movimento quando nos entregamos a maledicência?
No nosso agrupamento espírita e no meio espírita em geral nos deparamos com a maledicência?
Como transformar?

Pacifique Seu Grupo

“Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus.” - Mateus 5:9

Nos labores em equipe, não espere somente êxito e ventura.
É justo que anseie por alegria e encanto, harmonia e paz nas relações, entretanto, recorde sempre que tais conquistas de amor solicitam esforço e abnegação, entendimento e perdão, renúncia e paciência.
Por isso, quando as crises avançarem em seus conjuntos de ação, aferindo os seus dotes morais, não se esqueça dessas diretrizes seguras de conduta - esteios de todas as vitórias nos empreendimentos do bem.
Dá de si mesmo sem esperar. A vida te convocará à condição do lavrador cuidadoso, permitindo-lhe a gerência de seus elos. Antes, porém, terá de aprender a ser o semeador que se entrega à leira sem exigências, abdicando de limites e condições. 
Colheita farta exige semeadura correta.
Pacifique seu grupo. A vida, a seu tempo, responderá a você com mais largas possibilidades para escolher e agir.

Ermance Dufaux
14/05/2010

INVENTE, TENTE, FAÇA UM NATAL DIFERENTE!!!!!!!!!!!!!!!!!

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Conto de Natal - O Pintor e a Criança

Séculos atrás, um grande artista foi contratado para pintar um mural para a catedral de uma cidade da Sicília.
 O assunto foi a vida de Cristo.
Por muitos anos, o artista trabalhou diligentemente e, finalmente, a pintura foi terminada, exceto para as duas figuras mais importantes: o Menino Jesus e Judas Iscariotes.
Ele pesquisou muito para os modelos adequados.

Um dia, ao andar na cidade ele se deparou com algumas crianças brincando na rua. Entre eles estava um menino de 12 anos cujo rosto agitou o  coração do pintor.
O artista levou o menino para casa com ele, e dia após dia, o menino sentou-se pacientemente até que o rosto do Menino Jesus foi concluída.Mas o pintor ainda não tinha encontrado nenhuma modelo para o retrato de Judas.



A história da obra-prima inacabada ao longe espalhou, e muitos homens, fantasiando-se de semblante mau, se ofereceu para posar para Judas.
 Mas em vão o velho pintor olhou para Judas, como ele previa ser ele, um homem deformado pela vida, debilitados pela renúncia à cobiça e luxúria.

Então, uma tarde, sentado em uma taverna, uma figura magra e esfarrapada escalonados para além do limiar. "Vinho, o vinho", ele implorou.
O pintor olhou assustado para um rosto que parecia ter as marcas de todos os pecados da humanidade."Muito animado, o velho pintor disse, 'Venha comigo, e eu vou dar-lhe vinho.'

Durante muitos dias o pintor trabalhava febrilmente para concluir sua obra-prima.
 Como o trabalho prosseguiu, a mudança veio em relação ao modelo.
Uma estranha tensão substituiu a languidez ao estupor, seus olhos injetados de sangue fixaram-se com horror à semelhança que era pintado de si mesmo.

Percebendo a agitação sujeito, o pintor fez uma pausa em seu trabalho. "Meu filho", disse ele, "o que incomoda tanto?"



O homem cobriu o rosto com as mãos, soluçando. Após um longo momento ele levantou os olhos suplicantes para enfrentar o velho pintor. "Você não se lembra de mim, então?
Anos atrás, eu era o seu modelo para o Menino Jesus".

Recebido por e-mail do blog: http://almadeeducador.blogspot.com/2010/12/o-pintor-e-crianca.html

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

O Que Importa


Notas o desprezo.

O abandono te tortura.

Mas o que importa é tua fé.



Ouves a calúnia.

A falsidade te fere.

Mas o que importa é tua verdade.



Assistes à revolta.

A violência te atinge.

Mas o que importa é teu perdão.



Observas o orgulho.

A arrogância te machuca.

Mas o que importa é tua humildade.



Reparas a inveja.

O despeito te constrange.

Mas o importa é tua paz.



O importante não é o que os outros pensam, falam ou fazem contigo.

O que realmente importa é tua atitude.

Autor: Bezerra de Menezes
Psicografia de Antônio Baduy Filho

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

"Médiuns - A ciência comprova que o cérebro deles é diferente"

Esta é uma reportagem publicada pela revista brasileira ISTOÉ. Não alterámos a grafia das palavras para Português de Portugal, para não comprometer a integridade do texto.

Não é uma má reportagem, atendendo a que o Espiritismo é uma doutrina de certa complexidade, e que a jornalista é leiga na matéria.
Quem estuda Espiritismo, sabe que a mediunidade não é "dom", mas uma disposição fisiológica. Como sabe que existem muitíssimas mais formas de mediunidade que as apontadas na reportagem. Para citar apenas alguns aspectos menos conseguidos.

Não é um trabalho jornalístico mal intencionado, e muito menos difamatório ou boçal, como vemos por vezes em publicações portuguesas como o Jornal de Notícias, o Correio da Manhã ou o Diário de Notícias. Pelo contrário; parece-nos um trabalho jornalístico isento. É de saudar
 
 
O poder dos médiunsComo a ciência justifica as manifestações de contato com espíritos e por que algumas pessoas desenvolvem o dom
por Suzane Frutuoso fotos Murillo Constantino

O espiritismo é seguido por 30 milhões de pessoas no mundo. O Brasil é a maior nação espírita do planeta. São 20 milhões de adeptos e simpatizantes, segundo a Federação Espírita Brasileira – no último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) 2,3 milhões declararam seguir os preceitos do francês Allan Kardec, o fundador da doutrina. A mediunidade, popularizada pelas psicografias de Chico Xavier, em Uberaba (MG), ganhou visibilidade nos últimos anos na mesma proporção em que cresceu o espiritismo. Mas nada se compara ao poder da mídia atual, que permite debater os ensinamentos da religião por meio de livros, programas de tevê e rádio. Os romances com temática espiritualista de Zíbia Gasparetto, por exemplo, são presença constante nas listas de mais vendidos.
Embora não haja estatísticas de quantos entre os praticantes são médiuns, o que se observa é uma quantidade maior de pessoas que afirmam possuir o dom. O interesse pela religião codificada por Kardec é confirmado pelo recorde de público do filme Bezerra de Menezes – o diário de um espírito, do cineasta Glauber Filho: 250 mil espectadores, desde o lançamento nos cinemas, em 29 de agosto. Um número alto para uma produção nacional. O longa, com o ator Carlos Vereza (também praticante do espiritismo) no papel-título, conta a história do cearense que ficou conhecido como "médico dos pobres", se tornou ícone da doutrina e orienta médiuns em centenas de centros a se dedicar ao bem e à caridade.
 
 
PSICOGRAFIA Instrumento por meio dos livros

A psicóloga Marilusa Vasconcelos, 65 anos, de São Paulo, é conhecida no espiritismo pela sua vasta literatura psicografada. Em 40 anos de dedicação à mediunidade, publicou 61 livros. Seu orientador é o espírito do poeta Tomás Antonio Gonzaga, que participou da Inconfidência Mineira. A dedicação à psicografia levou Marilusa a fundar em 1985 a Editora Espírita Radhu, sigla para renúncia, abnegação, desprendimento e humildade, a base dos ensinamentos na doutrina. Ela reúne outros dons, como ouvir, falar e enxergar espíritos e ser instrumento deles na pintura mediúnica. "Os vários tipos surgiram desde a infância", conta Marilusa, que nasceu numa família espírita. "O controle da mediunidade é indispensável. O médium não é joguete do espírito. Eles interagem, num acordo mútuo de tarefa."
Os espíritas dizem que todas as pessoas têm algum grau de mediunidade.e que tem na caridade o objetivo final. "É uma tarefa em favor da evolução de si mesmo e da ajuda ao próximo", diz Julia Nesu, diretora do departamento de doutrina da União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo. Fenômenos relacionados a pessoas que falavam com mortos e envolvendo objetos que se mexiam são relatados desde o século XVII, tanto na Europa quanto nas Américas, mas hoje cientistas tentam compreender o fenômeno. Algumas linhas de pesquisa mostram que o cérebro dos médiuns é diferente dos demais. Qualquer um seria capaz de emitir pensamentos em forma de ondas eletromagnéticas que chegariam a outros planos. O que torna algumas pessoas especiais, segundo os praticantes, a ponto de se transformarem em canais de comunicação com os mortos, é uma missão – designada antes mesmo de nascerem, determinada por ações em vidas anteriores
São cinco os meios de expressão da mediunidade. A psicografia, que consagrou Chico Xavier, é a mais conhecida. Nela, o médium escreve mensagens e histórias que recebe de espíritos. Estaria sob o controle deles o que as mãos transcrevem. A vidência permite enxergar os mortos que não conseguiram se desvencilhar da Terra ao não aceitarem a morte ou que aparecem para enviar recados a entes queridos. Na psicofonia, o sensitivo é capaz de ouvir e reproduzir o que os espíritos dizem e pedem. A psicopictografia, ou pintura mediúnica, permite ao médium ser instrumento de artistas desencarnados (termo usado pela doutrina para designar mortos). A mediunidade da cura é responsável pelas chamadas cirurgias espirituais. Não é incomum um mesmo indivíduo reunir mais de um tipo de dom.

 
VIDÊNCIA
Ver e auxiliar aqueles que estão em outro plano

 
PSICOFONIA Falar o que os espíritos querem dizer




A intuição do servidor público Geraldo Campetti, 42 anos, de Brasília, começou na infância. Ele tinha percepções inexplicáveis, das quais mais ninguém se dava conta. Era como se absorvesse sentimentos que não eram seus. Apenas identificava que existia algo além do que seus olhos enxergavam. Até que as sensações começaram a tomar forma. Campetti passou a ouvir súplicas de ajuda. De espíritos, inconformados com a morte. Aos 29 anos, não se assustou. De família espírita, conhecia a mediunidade. "Mas sabia que precisava estudar para manter o equilíbrio", diz. Hoje diretor da Federação Espírita Brasileira, afirma ter controle sobre o dom de ouvir e transmitir recados dos mortos. Eventualmente, um espírito pede uma mensagem à pessoa com quem ele conversa. "Isso é espontâneo, não da minha vontade."


Imaginar que convivemos no cotidiano com pessoas que estão mortas vai além da compreensão sobre a vida – pelo menos para quem não acredita em reencarnação. Mas até na ciência já existem aqueles que conseguem casar racionalidade com dons espirituais. Esses especialistas afirmam que a mediunidade é um fenômeno natural, não sobrenatural. E que o mérito de Allan Kardec foi explicar de maneira didática o que sempre esteve presente – e registrado – desde a criação do mundo em todas as religiões. O que seria, dizem os defensores da doutrina, a anunciação do Anjo Gabriel a Maria, mãe de Jesus, se não um espírito se comunicando com uma sensitiva?
Apesar desse contato constante, os mortos, ou desencarnados, como preferem os espíritas, não aparecem em "carne e osso". A ligação com o mundo dos vivos seria possível graças ao perispírito, explica Geraldo Campetti, diretor da Federação Espírita Brasileira. "Ele é o intermediário entre o corpo e o espírito. A polpa da fruta que fica entre a casca e o caroço." O perispírito seria formado por substâncias químicas ainda desconhecidas pelos pesquisadores terrenos, garantem os adeptos do espiritismo. "É a condensação do que Kardec batizou como fluido cósmico universal", afirma o neurocirurgião Nubor Orlando Facure, diretor do Instituto do Cérebro de Campinas. Nas quatro décadas em que estuda a manifestação da mediunidade no cérebro, Facure mapeou áreas cerebrais que seriam ativadas pelo fluido.

 
CURA
Cirurgias sem dor nem sangue


O primeiro espírito a se materializar para o analista fiscal Wagner Fiengo, 37 anos, de São Paulo, foi de um primo. Ele tinha dez anos, teve medo e se afastou. Mas, na juventude, um tio, seguidor da doutrina, avisou que era hora de ele se preparar para a missão que lhe fora reservada. Por meio da psicografia, seu guia espiritual, o médico Ângelo, informou que teriam um compromisso: curar pessoas. Ele não foi adiante. Uma pancreatite surgiu sem que os médicos diagnosticassem os motivos. Há quatro anos, seu guia explicou que as doenças eram ajustes a erros que Fiengo havia cometido numa vida passada. A missão era a forma de equilibrar a saúde e a alma. Em 2004, iniciou as cirurgias espirituais. Ele diz que não é uma substituição ao tratamento convencional. "É um auxílio na cura de fatores emocionais e físicos."




Comprovar cientificamente a mediunidade também é objetivo do psiquiatra Sérgio Felipe Oliveira, professor de medicina e espiritualidade da Faculdade de Medicina da USP e membro da Associação Médica-Espírita de São Paulo.Eles concluíram que os médiuns apresentam prevalências inferiores de distúrbios mentais, do uso de antipsicóticos e melhor interação social.
A maior parte dos cientistas acredita que a mediunidade nada mais é do que a manifestação de circuitos cerebrais.
Com exames de tomografia, ele analisou a glândula pineal (uma parte do cérebro do tamanho de um feijão) de cerca de mil pessoas. "Os testes mostraram que aqueles com facilidade para manifestar a psicografia e a psicofonia apresentam uma quantidade maior do mineral cristal de apatita na pineal", afirma Oliveira. Ele também atende, no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, casos de pacientes de doenças como dores crônicas e epilepsia que receberam todos os tipos de tratamento, não tiveram melhora e relatam experiências ligadas à mediunidade. "Somamos aos cuidados convencionais, como o remédio e a psicoterapia, a espiritualidade, que vai desde criar o hábito de orar até a meditação. E os resultados têm sido positivos." Uma pesquisa de especialistas da USP e da Universidade Federal de Juiz de Fora, publicada em maio no periódicoThe Journal of Nervous and Mental Disease, comparou médiuns brasileiros com pacientes americanos de transtorno de múltiplas personalidades (caracterizado por alucinações e comportamento duplo). Alguns já seriam explicáveis, como os estados de transe. Pesquisas da Universidade de Montreal, no Canadá, e da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, comprovaram que, durante a oração de freiras e monges católicos, a área do cérebro relacionada à orientação corporal é quase toda desativada, o que justificaria a sensação de desligamento do corpo. Os testes usaram imagens de ressonâncias magnéticas e tomografias feitas no momento do transe.
A teoria seria aplicável ao transe mediúnico, quando o médium diz incorporar o espírito e não se lembra do que aconteceu. Pesquisadores da Universidade de Southampton, na Inglaterra, estudaram pessoas que estiveram entre a vida e a morte e relataram se ver fora do próprio corpo durante uma operação ou entrando em contato com pessoas mortas. Os estudiosos concluíram se tratar de um fenômeno fisiológico produzido pela privação de oxigênio no cérebro. Trabalhando sob stress, o órgão seria também inundado de substâncias alucinógenas. As imagens criadas pela mente seriam apenas a retomada de percepções do cotidiano guardadas no inconsciente.
PSICOPICTOGRAFIA Milhares de quadros pintados


Criada numa família católica, Solange Giro, 46 anos, de Parapuã, interior de São Paulo, teve o primeiro contato com o espiritismo aos 20 anos, ao conhecer o marido. Ele, que perdera uma noiva, buscava o entendimento da morte. Já casada e com dois filhos, passou a sofrer de depressão. Encontrou alívio na desobsessão (trabalho que libertaria a pessoa de um espírito que a domina). A mediunidade dava os primeiros sinais. Logo passou a ouvir e ver espíritos. O dom da psicografia veio em seguida. Era um treino para ser iniciada na pintura mediúnica. "Pintei cinco mil quadros no primeiro ano. Estão guardados. Não tive autorização para mostrálos", conta Solange, que diz nunca ter estudado artes. Nos últimos 13 anos, ela recebeu aval de seu mentor para vender os quadros. O dinheiro é revertido para a caridade.


O psiquiatra Sérgio Felipe Oliveira rebate a incredulidade. "Se uma pessoa está em cirurgia numa sala e consegue descrever em detalhes o que ocorreu em um ambiente do outro lado da parede, é possível ser apenas uma sensação?" Essa é uma pergunta que nenhuma das frentes de pesquisa se arrisca – ou consegue – a responder com exatidão. Da mesma maneira que todos os presentes à sessão de pintura em Indaiatuba saíram atônicos, sem conseguir explicar como alguém que conheceram numa noite foi capaz de decifrar suas angústias mais inconfessáveis.
 
 
 

 



Aos cinco anos, o chefe de faturamento hospitalar Ivanildo Protázio, de São Paulo, 49 anos, pegava no sono com o carinho nos cabelos que uma senhora lhe fazia todas as noites. Descobriu tempos depois que era a avó, morta anos antes. Aos 19 anos, os espíritos já se materializavam para ele."Nunca tive medo. Sempre me pareceu natural." A mãe, que trabalhava na Federação Espírita, o encaminhou para as aulas em que aprenderia a lidar com o dom. Hoje, Protázio é professor de educação mediúnica. Essa é uma parte da sua missão. A outra é orientar os espíritos que lhe pedem auxílio para entender o que aconteceu com eles. A oração é o remédio. "Os espíritos superiores me ensinaram a importância da caridade para nossa própria evolução."


A reportagem de ISTOÉ presenciou uma manifestação mediúnica em Indaiatuba, interior de São Paulo. O tom de voz baixo e os gestos delicados de Solange Giro, 46 anos, sugeriam que ela carrega certa timidez ao expor a própria vida numa conversa com um estranho. Cerca de duas horas depois, porém, é difícil acreditar no que os olhos vêem. Diante de uma tela em branco, sobre uma mesa improvisada com dezenas de tubos de tinta, a mulher começa a pintar um quadro na seqüência de outro. O tempo gasto em cada um não passa de nove minutos. As obras são coloridas e harmoniosas. "Nunca fiz aula de artes. Mal conseguia ajudar meus filhos com os desenhos da escola", diz, minutos antes da apresentação. A discreta Solange dá lugar a uma pessoa que fala alto, canta e encara os interlocutores nos olhos, com ar desafiador. A assinatura nas telas não leva seu nome, mas de artistas famosos – e já mortos –, como Monet, Mondrian e Tarsila do Amaral. Seria uma interpretação digna de uma atriz? Talvez. O que difere o momento de uma encenação é subjetivo e dá margem a dezenas de explicações – convincentes ou não. Talvez seja possível encontrar respostas no que a artista diz a cada uma das pessoas da platéia presenteadas com um dos dez quadros produzidos na noite. Enquanto entregava a obra, ela desferia características e situações de vida de cada um absolutamente desconhecidas dela. O mentor que a guia é o médico holandês Ernst, que viveu no século XVII. A sensitiva garante que era ele, não ela, quem estava presente na pintura dos quadros.
Nem sempre é fácil aceitar a mediunidade, que pode causar medo quando começa a se manifestar. "Ainda hoje não gosto quando vejo o possível desencarne de alguém. Nestas horas, preferia não saber", conta a psicóloga Marilusa Moreira Vasconcelos, 65 anos, de São Paulo, que psicografa. O médium de cura Wagner Fiengo, analista fiscal paulistano, 37 anos, chegou a se afastar da doutrina. "Aos 13 anos não entendia por que presenciava aquilo." Para manter a sanidade e o equilíbrio, as pessoas que possuem dons e querem fazer parte da religião espírita precisam se dedicar à educação mediúnica. O curso leva cinco anos. Inclui os ensinamentos que Allan Kardec compilou no Livro dos Espíritos – a obra que deu base ao entendimento da doutrina – e no Livro dos Médiuns – que explica quais são os tipos de mediunidade, como eles se manifestam e os cuidados a serem tomados. Entre eles, o combate a falhas de comportamento, como vaidade, orgulho e egoísmo. O Espiritismo prega que as imperfeições da personalidade atraem espíritos com a mesma vibração. "O pensamento é tudo. Aqueles que pensam positivo atrairão o que é semelhante. O mesmo acontece com o pensamento negativo e os vícios. Quem gosta de beber, por exemplo, chama a companhia de espíritos alcoólatras", afirma o professor de educação mediúnica Ivanildo Protázio, 49 anos, de São Paulo, que tem o dom da vidência

4º HUMANIZAR 2011 SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 23, 24 E 25 DE SETEMBRO - "NISTO TODOS RECONHECERÃO QUE SÃO MEUS DISCÍPULOS, SE VOS AMARDES UNS AOS OUTROS".



PRESENÇA DE WANDERLEY OLIVEIRA E BIANCA MOLICO CONFIRMADA.

domingo, 12 de dezembro de 2010

Hoje é Domingo...

APENAS PARA MEDITAR


O estudioso do Espiritismo não ignora que foram os espíritos “batedores”, considerados dos últimos na Escala Espírita, que abriram caminho para que os fenômenos fossem estudados, ensejando a codificação da Doutrina.
            No livro “Seara dos Médiuns”, à página intitulada “Aviso, Chegada e Entendimento”, Emmanuel, através da psicografia de Chico Xavier, escreve com beleza ímpar: “Em 1848, no vilarejo de Hydesville, inicia-se publicamente a chegada dos comandos da sobrevivência.
            “Os emissários desencarnados, quais familiares há muito tempo ausentes da própria casa, alcançam a moradia terrestre, batendo freneticamente à porta”.
            Estudando a biografia do abençoado medianeiro de Emmanuel, notamos que a sua conversão ao Espiritismo, ocorrida em 1927, deu-se por conta do processo obsessivo que acometeu uma das irmãs, Maria da Conceição Xavier.
            Quantos outros tarefeiros do Bem e da Verdade, em diferentes épocas, não têm sido chamados ao labor por “providenciais” ingerências do mundo espiritual inferior?
            Maria Modesto Cravo, médium portadora de excelentes faculdades, chegou à cidade de Sacramento, Estado de Minas Gerais, à procura do apóstolo Eurípedes Barsanulfo, assediada por espíritos que lhe subtraiam a saúde e a paz.
            Yvonne do Amaral Pereira, a inesquecível co-autora de “Memórias de um Suicida”, fala das perturbações que, desde Lavras, sua terra natal, também em Minas Gerais, experimentava por ação das entidades espirituais que desejam induzi-la a colocar termo à própria vida.
            Zilda Gama, a extraordinária médium de Victor Hugo, foi chamada ao exercício da mediunidade devido a doloroso calvário particular que lhe fora infligido pela ação de espíritos infelizes que, por pouco, não lhe comprometem a encarnação.
                            *                             *                         *
            Onde a luz principia a brilhar é comum o adensar das trevas ao redor, no intuito de ofuscá-la. Não obstante, por mais se compactem, não mais logram que lhe destacar o esplendor!
            Mas também assim nos referimos, nesta página, porque, muitas vezes, nos deparamos com certo preconceito entre os adeptos do Espiritismo em relação a espíritos que, em nome do Cristo, labutam fora de nossos arraiais doutrinários.
            Particularmente – digo-lhes –, desde quando no corpo físico, fiquei a dever inestimáveis favores a seres desencarnados que, pela sua modéstia intelectual, sempre receberam o rótulo de “entidades inferiores” – em um sem-número de ocasiões, foram esses irmãos ligados às seitas afro-brasileiras que me valeram na lida contra ferrenhos e cultos perseguidores do Mais Além!
            Recordo-me que, certa vez, ao se referir a determinadas atividades que são levadas a efeito nas salas de passes, nos centros espíritas, Chico Xavier destacou o ignorado trabalho das entidades encarregadas dos serviços que não competem a outras de maior elevação. Ele mesmo afirmava se valer, com relativa frequência, dos préstimos dos chamados “elementais”, quando, por exemplo, necessitava localizar um objeto ou uma página mediúnica perdida entre tantos papéis acumulados.
            Antes, pois, de qualquer manifestação preconceituosa de nossa parte, no que diz respeito a nossos irmãos desencarnados de primária evolução espiritual, não olvidemos que foi a um dos habitantes mais singelos do mundo espiritual – um espírito “batedor” – que o Espírito da Verdade confiou uma das tarefas mais relevantes para que a História do Espiritismo começasse a se escrever sobre a Terra!
INÁCIO FERREIRA
Uberaba - MG, 29 de junho de 2010. 


sábado, 11 de dezembro de 2010

O MEU OBJETIVO HOJE:

AQUI ESTÃO ALGUMAS DICAS QUE PODEM LHE TRAZER UMA BELA VIDA:





Caminhe uns 10/30 minutos todos os dias e, enquanto estiver caminhando,sorria.



Sente-se em silêncio por, pelo menos, 10 minutos a cada dia.



Quando você acordar de manhã, complete a seguinte afirmação...



“O meu objetivo hoje é...”



Viva com os 3 "Es": Energia, Entusiasmo, Empatia, e os 3 "Fs": Fé, Família,Futuro.



Gaste mais tempo com pessoas que têm mais de 70 anos e menos de seis.

Sonhe mais enquanto está acordado

.

Tente fazer pelo menos três pessoas rirem a cada dia.



Perceba que a vida é uma escola e que você está aqui para aprender, passar por todos os testes.



Problemas são apenas parte do currículo, aparecem e desaparecem como aulas de álgebra, mas as lições que você aprende irão durar uma vida inteira.



Sorria e ria mais. Isso irá manter distantes os que te querem ver tristes.

A vida não é justa, mas, mesmo assim, é boa.



A vida é muito curta para se perder tempo odiando alguém.

Não se leve tão a sério.



Você não tem que vencer todas as discussões. Aceite as divergências.



Reconcilie-se com seu passado, assim você não confundirá seu presente.

Não compare sua vida com a de outros.



Você não tem idéia acerca de como são suas jornadas.



Acenda as velas, use os bonitos lençóis. Não os guarde para uma ocasião especial.



Hoje é um dia especial. Ninguém é responsável por sua felicidade, exceto você.



Perdoe a todos por tudo.



O tempo cura quase tudo. Dê tempo ao tempo.



Por mais que uma situação seja boa ou ruim, ela vai mudar.



Seu trabalho não vai cuidar de você quando estiver doente.



Seus amigos vão estar em contato.



Livre-se de qualquer coisa que não seja útil.



O melhor ainda está por vir.



Não importa como você se sente... Levante-se, vista-se e se mostre.



Ligue para sua família com frequência



Todas as noites, antes de ir para cama, complete as seguintes afirmações:



“Eu sou agradecido a Deus por…”



“Hoje eu realizei…”



Lembre-se de que você é muito abençoado para se estressar.



Aproveite o passeio. Lembre-se de que isso não é Disney World e você, certamente, não quer uma passagem rápida.



Aproveite ao máximo e desfrute do percurso.
http://amigosdaotaepoesia.blogspot.com/

Um simples "Obrigado" basta

A vida é um presente de Deus. Nada fizemos para ganhá-lo; aliás, nem o merecemos. Mas somos criaturas tão ingratas que nem sequer um "obrigado" brota de nós.

Não somos gratos por termos recebido essa oportunidade de crescer, ver, amar, rir, aproveitar a música da existência, a beleza do mundo. Não somos nem um pouco gratos; ao contrário, estamos sempre reclamando.

Se você escutar as orações das pessoas, ficará surpreso: todas elas são queixas. Não são orações cheias de agradecimento; estão pedindo algo mais, estão dizendo: "Isso não é suficiente."

Na verdade, nunca será suficiente, pois o pobre pede, o rico pede, o imperador pede — todo mundo pede.

Todo mundo pede mais. Isso significa simplesmente que tudo que você recebeu não foi suficiente: "Eu mereço mais, você não tem sido justo comigo!" Chamo isso de irreligiosidade.

Para mim, todas as orações feitas nos templos, nas mesquitas e nas igrejas são irreligiosas. A verdadeira oração é apenas de gratidão, um simples "obrigado" basta.

Osho, em "Meditações Para o Dia"

As 4 Leis da Espiritualidade da Índia


Na Índia, são ensinadas as "Quatro Leis de Espiritualidade"A primeira diz:

"A pessoa que vem é a pessoa certa"

Significando que ninguém entra em nossas vidas por acaso, todas as pessoas ao nosso redor, interagindo com a gente, há algo para nos fazer aprender e avançar em cada situação.
A segunda lei diz:
"O que aconteceu? A única coisa que poderia ter acontecido”

Nada, nada, absolutamente nada que nos acontece em nossas vidas poderiam ter sido de outra forma. Mesmo o menor detalhe. Não há nenhum "se eu tivesse feito tal coisa ..., aconteceu que um outro ...". Não. O que aconteceu foi tudo o que poderia ter acontecido, e se ter sido para nós aprendermos a lição e seguirmos em frente. Todas e cada umadas situações que acontecem em nossas vidas são perfeitas.

O terceiro diz:
"Toda vez que você iniciar é o momento certo"

Tudo começa na hora certa, nem antes nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas, é que a coisas acontecem.

E o quarto e último:
"Quando algo termina, ele termina"

Simplesmente assim. Se algo acabou em nossas vidas é para a nossa evolução, por isso é melhor sair, ir em frente e seguir em frente e se enriquecer com a experiência. Acho que não é por acaso que estão a ler isto, se este texto vem a nossa vida hoje, é porque estamos preparados para entender que nenhum floco de neve cai sempre no lugar errado!

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Para Refletir

“Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.” - Mateus 6:34

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Deus Pode

REceita de Saúde - Manter a Fé e a Esperança



Por maior que seja a dificuldade pela qual esteja passando,
não desanime. Confie, mantendo a fé e a esperança.
Não se esqueça de que Deus não dá uma cruz mais pesada
do que aquela que podemos carregar. Ele dá a lição
e as provas conforme o nível de entendimento
e evolução do Espírito.
Nesta escola chamada Terra há alunos em diversos graus,
alguns mais adiantados, outros mais atrasados,
mas o mais importante é que todos estão aprendendo
de um jeito ou de outro.
Busquemos compreender as nossas limitações e as dos outros,
sem jamais perder a fé e a esperança.
A fé e a esperança são as vitaminas essenciais
para mantermos a nossa saúde física, emocional e espiritual.
Lembremo-nos de que Jesus está no leme deste barco da vida,
nos guiando e nos amparando em todos os instantes.
http://www.gotasdepaz.com.br/

CONVITE À REGENERAÇÃO

“Tornai-vos, portanto, imitado­res de Deus, como filhos bem-ama­dos.”
(Efésios: capítulo 5º, versículo 1.)

Não amanhã ou mais tarde.
Programas adiados, dificuldades aumentadas.
Ação imediata, oportuna, produz resultados abençoados, surpreendentes.
Como se faz indispensável pensar a fim de to­mar decisões felizes, a ponderação em exagero re­sulta em prejuízo para a oportunidade melhor.
Por isso mesmo, a obra em prol da regeneração da Terra deve ter início no próprio homem, imediatamente.
Partindo das pequenas e insignificantes falhas do caráter, da personalidade, fixar-se-ão diretrizes de robustez para as decisões e atitudes mais expressivas nos meandros do espírito atribulado.
Não se faz preciso que de um só golpe se intente a regeneração, pois que tal labor seria muito difícil, não, todavia, impossível.
Todos trazemos das vidas pretéritas condicionamentos que se traduzem por deficiências mui mar­cantes, quando não se fazem impositivos fortes, re­fletindo os gravames a que nos ligamos, por insen­satez ou desequilíbrio.
Tendências e desejos resultam do cultivo de tais ou quais aptidões morais a que nos entregamos nas reencarnações anteriores.
Reorganiza, desse modo, a paisagem espiritual, sob a ação evangélica, clarificando o báratro íntimo que te atormenta com a lâmpada do conhecimento espírita. Impostergável dever para a obra regenerativa, que poderá conduzir-te com segurança à rota da harmonia, deve merecer carinho imediato.
Se não parece lícito intentar de um para outro momento a tarefa de transformação interior, não é, igualmente, justificável adiar para depois o que podes produzir de imediato.
Toda aquisição se converte em patrimônio inalienável, que não convém ser desprezado.
Jesus, ensinando sabedoria e vivendo-a, conclamou a todos que Lhe recebiam a diretriz de segu­rança: “Vai em paz e não tornes a pecar para que te não aconteça algo pior.”
Os Seus convites foram sempre incisivos e concisos, refletindo um tempo único para a ação rege­nerativa: agora!
Hoje, portanto, fulgura tua oportunidade abençoada de regeneração espiritual. Inicia-a e avança na direção do sem fim da perfeição que pretendes atingir, tornando-te “imitador de Deus como filho bem-amado.”

Divaldo Pereira Franco
Espirito: Joana de Angelis

domingo, 5 de dezembro de 2010

1º encontro de trabalhadores e divulgadores da Proposta Humanizar - Atitude de Amor

Aconteceu nesse domingo o primeiro encontro entre o Grupo Espírita "Lar de Dona Modesta" de São José do Rio Preto e Casa Do Caminho "Bezerra de Menezes" de Promissão.
Foi um encontro muito proveitoso onde o afeto e a troca de experiências foi abundante.

Descobrimos que muitas de nossas dúvidas, dificuldades eram muito semelhantes.
Chegamos a conclusão que não devemos e não  podemos nos isolar em nosssos grupos, mas
sim criar  um laço que nos une, nos auxiliando mutuamente.

Ao final do encontro tivemos a comunicação de um trabalhador espiritual através de um dos médiuns da casa, nos incentivando a continuar com esses encontros, nos fortalecendo.

Foi muito bom!!!!!!!!!!!
Logo estaremos marcando o próximo!!!!

Juntos somos união, força e tranformação!!!!!!!!








sábado, 4 de dezembro de 2010

A sinfonia do Amor - Plínio Oliveira

Percepção Pura



Suas noções do mundo exterior derivam da mente interior;
Povo de Tingri, deixe o gelo sólido ser derretido.
Padampa Sangye (séc. XII)
Cem Versos de Instrução, 74
Lagos e rios podem congelar no inverno, e a água pode ficar tão sólida que pessoas, animais e carroças andam na superfície. Com a chegada da primavera, a terra aquece e a água derrete.
O que sobra então de todo aquele sólido gelo? A água é fluída, o gelo é duro e cortante. Não podemos dizer que são idênticos, mas também não são diferentes — gelo é apenas água congelada, e água é apenas gelo derretido.
É a mesma coisa com nossas percepções do mundo exterior. Ficar apegado à realidade dos fenômenos, atormentado com atração e repulsa, obcecado pelas oito preocupações mundanas*, isso é o que causa o congelamento da mente.
Derreta o gelo de seus conceitos para que a água fluída da percepção livre possa correr.
Dilgo Khyentse Rinpoche (1910-1991)
The Hundred Verses of Advice
* oito preocupações mundandas:
1. Desejar elogios
2. Rejeitar críticas
3. Desejar o prazer
4. Rejeitar a dor
5. Desejar o ganho
6. Rejeitar a perda
7. Desejar a fama
8. Rejeitar ser ignorado

Para Viver em Paz

Lembre-se de que só existe um tempo importante e este tempo é agora. O presente é o único tempo sobre o qual temos domínio. A pessoa mais importante é aquela que está à sua frente. E a coisa mais importante é fazer essa pessoa feliz.




http://samsara.blog.br/2008/04/para-viver-em-paz/   

Thich Nhat Hanh, em “Para viver em paz”

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Cada um oferece do que tem

Joanna de Ângelis escreve, no livro "Vida Feliz "à página 42:
    " Torna-te pacificador.
    Onde te encontrares, estimula a paz e vive em paz.
    Os tumultos que aturdem os homens e as lutas que se travam em toda parte poderiam ser evitados, ou pelo menos contornados, se os homens mantivessem o espírito de boa vontade, uns para com os outros.
    Uma ofensa silenciada, uma agressão desculpada, um golpe desviado, evitam conflitos que ardem em chamas de ódio.
    Confia na força de não-violência e a paz enflorescerá o teu e o coração de quantos se acerquem de ti "



    Década dos anos 30/40

    Cidade de Uberaba ...

        No dia do aniversário de D. Maria Modesto Cravo os presentes foram chegando, não mais as ricas lembranças de outros tempos, mas velhinhos e senhoras doentes com filhos ao colo que batiam incessantemente à sua porta desejando-lhe prosperidade espiritual e expressando-lhe gratidão pelo auxílio espiritual e , também do auxílio financeiro que dela recebiam.

    Chegou então, belíssimo vaso de porcelana inglesa, ricamente decorado, com lindo papel de presente e laçarote de fita de cetim. Um cartão acompanhava o mimo. Era um regalo da antiga amiga que agora a execrava. O cartão continha as seguintes palavras grafadas em bela caligrafia com tinta importada : "Isto é o que você merece!"

    Quando D. Maria Modesto Cravo retirou o invólucro viu que o vasilhame continha esterco.

    Um ano depois, durante as ruidosas comemorações do aniversário da milionária amiga de D. Maria Modesto Cravo, a médium enviou-lhe lindo arranjo de rosas e um cartão com a seguinte mensagem:

    "  Ofereço este ramalhete como prova de estima . Foram cultivadas aqui em casa, com o esterco que você me enviou no ano passado e que proporcionou excelente adubo para as roseiras cultivadas no meu jardim. Com gratidão, Maria Modesto Cravo."

             Cada um dá o que tem em abundância na vida!


Ana Maria Spranger Luiz

VICTOR PASSOS

retirado do site : Fórum Espírita

Frase de Dona Modesta

"TODA IDÉIA NOVA FORÇOSAMENTE ENCONTRA OPOSIÇÃO E NENHUMA
HÁ QUE SE IMPLANTE SEM LUTAS. ORA, NESSES CASOS, A RESISTÊNCIA É
SEMPRE PROPORCIONAL À IMPORTÂNCIA DOS RESULTADOS PREVISTOS,
PORQUE, QUANTO MAIOR ELA É, TANTO MAIS NUMEROSOS SÃO OS INTE-
RESSES QUE FERE." E.S.E. CAPÍTULO 23, ÍTEM 12

Frase do Dia

Sozinhos somos estrelas que cintilam...
Juntos, compomos o Corpo de Luz deste Planeta.
  

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Humanizar 2011 - "Nisto todos reconhecerão que sois meus díscipulos, se vos amardes uns aos outros"

vem aí o 4º Humanizar São José do Rio Preto 24 e 25 de Setembro de 2011






Humaniza , uai

      Programação
4º Humanizar de Belo Horizonte – MG.
Tema: A arte de bem dizer para humanizar
Da abundância do coração fala a boca (Mateus, 12.34)

Sobre o Tema

A força plasmadora da fala é sem dúvida recurso e instrumento para nossa evolução. Entretanto, através da palavra podemos tanto iluminar quanto destruir, congregar quanto desunir, amar quanto denegrir.
 A humanização é um convite para superarmos o verbalismo vazio, descermos das tribunas, reciclarmos a maledicência, aproximarmos em fraternidade. Através da comunicação cristã estabelecemos pontes com outros seres humanos e assim, saímos de nossa ilha de egoísmo, compartilhamos oportunidades, auxiliamo-nos mutuamente. A palavra que cura é humanizadora, a palavra que adoece é “pregação morta no túmulo adornado das bibliotecas sem proveito ou no cárcere da inteligência sem amor”*.
  O quarto Humanizar de Belo Horizonte, tem como tema central a arte de bem dizer expresso na busca pelo diálogo, no respeito às diferenças do livre pensar, na relação indulgente que permite o ¨confessai-vos uns aos outros¨, na palavra esclarecedora, na honestidade emocional curativa, no encontro com a voz interior.
Vamos usar a palavra como estudo, vivência e instrumento para nossa própria regeneração. Querido amigo mobilize o seu grupo de tarefa e venha conjugar conosco o verbo humanizar, afinal, a sua voz é insubstituível!

HUMANIZA, UAI!

Com carinho,
Equipe Organizadora.

*Emmanuel, psicografia de Chico Xavier, in:Jóia

domingo, 28 de novembro de 2010

Frase do Dia

O homem prudente não diz tudo quanto pensa, mas pensa tudo quanto diz...

Sempre Matéria


O que causou impacto em Nosso Lar foi o fato de André Luiz descrever uma cidade no Plano Espiritual, cujo nome dá título ao livro.
Há casas, veículos, ruas, parques, árvores, vegetação, lagos, campos... Há uma organização administrativa e social, sede de governo, escolas, hospitais, centros de cultura...
Um espanto!
Emmanuel, o mentor espiritual que assina o prefácio, comenta:
Certamente que numerosos amigos sorrirão ao contato com determinadas passagens das narrativas. O inabitual, entretanto, causa surpresa em todos os tempos. Quem não sorriria na Terra, anos atrás, quando se lhes falasse da aviação, da eletricidade, da radiofonia?
Mais do que sorrisos, a obra de André Luiz suscitou dúvidas e críticas.
Como imaginar o mundo espiritual um xérox da Terra?
Mas poderíamos inverter a pergunta:
Como imaginá-lo diferente?
O que vai acontecer quando batermos as botas?
Porventura nos transmutaremos em etérea fumaça?
Perderemos a identidade?
Desapareceremos no todo cósmico?
Onde quer que o Espírito instale sua morada, fatalmente irá defrontar-se com sua própria forma e entrará em contato com seres e coisas que também tem forma.
Mesmo as fantasias teológicas reportam-se a paisagens infernais e celestiais, seres demoníacos e angélicos, chifres e asas, jardins e cavernas, caldeirões e harpas...
A natureza não dá saltos.
A Espiritualidade, principalmente nas proximidades do plano em que vivemos, forçosamente assemelha-se à Terra.
Ao contrário do que se imagina, o mundo físico é uma cópia muito imperfeita do mundo espiritual, mais densa, mais pesada, de matéria mais grosseira.
Os cientistas admitem hoje a existência de universos paralelos, em outras dimensões, que poderíamos definir como planos habitados por Espíritos, de acordo com seu estágio evolutivo.
***
A chave para entender e aceitar Nosso Lar, está em conceber que a morada dos mortos é feita de matéria.
Isso não deve ser motivo de surpresa.
Consideremos os estados conhecidos da matéria:
Sólido, líquido e gasoso.
Uma pedra de gelo é matéria em estado sólido.
Derretendo o gelo temos matéria líquida.
Se colocarmos a água a ferver teremos a matéria em estado gasoso a dispersar-se, oferecendo-nos a impressão de que se esgotou quando apenas tornou-se invisível.
Algo semelhante ocorre com o Continente Espiritual.
Não o visualizamos porque nos faltam sentidos para identificar os elementos que o estruturam.
Não o detectam os mais sofisticados aparelhos de que dispõe a ciência terrestre porque ainda não possuem a necessária sensibilidade.
***
Superada essa dificuldade, poderemos ler tranquilamente. André Luiz, colhendo valiosas informações sobre as regiões para onde nos transferiremos quando a morte nos contemplar com seu irrecusável convite.
Usaremos, então, outro corpo, feito de matéria sutil, em outra faixa de vibração, denominado perispírito por Allan Kardec.
O perispírito guarda a mesma morfologia do corpo físico. É cópia fiel. Assim o Espírito tende a conservar tende a conservar a aparência compatível com sua idade ao desencarnar.
Isso nos permite compreender certas ocorrências, envolvendo os Espíritos.
Diz o vidente na reunião espírita:
- Fulano está presente.
Como sabe?
É que o vê em seu corpo espiritual.
Reclama um comunicante pela psicofonia mediúnica:
- Ninguém me dá atenção em meu lar. É como se eu falasse com as portas...
Não percebe que morreu.
Por quê?
Porque não enxerga nenhuma diferença entre o perispírito, que lhe serve hoje à exteriorização, e o corpo que o serviu enquanto encarnado.

Livro: A presença de Deus
Richard Simonetti

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Frase Do Dia - Estágio Evolutivo

Cada ser está num determinado estágio evolutivo e, portanto, fazendo tudo o que lhe é possível fazer no momento, ou seja, conduzindo-se no agora com o melhor de si mesmo.  Hammed 

A lógica da autoestima

Ter uma boa autoestima é tudo de bom, não é? É algo independente de dinheiro, de beleza, de poder e de cultura, todos têm acesso, depende da conduta.
Tem muita gente buscando a autoestima em livros de autoajuda, repetem meia dúzia de autoelogios e esperam alcançá-lo. Outros acreditam que falar tudo que vem na cabeça, sem reservas, é uma grande autoestima, não desconfiando que são descontrolados.
Tem que haver uma coerência entre o que pensamos, o nosso autoconceito e as nossas atitudes. O psicólogo Nathaniel Branden faz a seguinte colocação: “Há um contínuo fluxo de efeitos recíprocos entre nossas ações no mundo e a nossa autoestima. O nível da nossa autoestima influencia nossos atos, e a maneira como agimos influencia o nível da nossa autoestima.” Isso quer dizer que a pessoa que repete palavras positivas e não age como tal, não terá a conexão entre as ideias e as atitudes - coesão. E aquele que age desgovernadamente, sem consciência e disciplina sobre as emoções, também está cindido.
Na prática o que Branden propõe é que o nível de nossa autoestima, alta ou baixa, influencia nossas ações. Se a autoestima é baixa, vamos ficar temerosos, inseguros em nossas realizações. Com a autoestima boa vamos estar mais seguros, conscientes, ponderados para os enfrentamentos da vida. A maneira como agimos, confiantes ou inseguros, reflete em nosso autoconceito, em nosso autojulgamento, consequentemente, no grau de nossa autoestima.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Solidão



Solidão não é a falta de gente para conversar, namorar, passear ou fazer sexo... Isto é carência.
Solidão não é o sentimento que experimentamos pela ausência de entes queridos que não podem mais voltar... Isto é saudade.
Solidão não é o retiro voluntário que a gente se impõe, às vezes, para realinhar os pensamentos... Isto é equilíbrio.
Tampouco é o claustro involuntário que o destino nos impõe compulsoriamente, para que revejamos a nossa vida... Isto é um princípio da natureza.
Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado... Isto é circunstância.
Solidão é muito mais do que isto. Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos e procuramos em vão pela nossa alma.

domingo, 21 de novembro de 2010

Hoje é Domingo...Dia de ficar de papo pro ar...

Auto-amor e Perdão para Humanizar


Você já parou para pensar que pessoas em paz, felizes, gratas, bem resolvidas consigo mesmas amam com mais facilidade, são mais generosas, mais fraternas, mais... E não vá achar que essas pessoas são aquelas que aparecem na televisão mostrando suas mansões ou o mais erudito de toda a sua comunidade espírita, eles também podem ser assim é claro, mas eu me refiro às pessoas como eu e você que construindo as trilhas do auto-amor podem superar tantos entraves no amor ao próximo.
                      Como amar ao próximo verdadeiramente, se aquela voz mental te inferiorizando surge diante das conquistas dos outros? Como lidar com as frustrações sem reconhecer o potencial divino dentro de nós? Como perdoar sem reconhecer que o erro também é parte importante da nossa trajetória? Como humanizar sem reconhecer-se humano? Como perdoar com sentimentos mais do que com palavras? Como reconhecer nossas dificuldades sem tirar o brilho dos outros?
                      Tantas perguntas....e inadvertidamente podemos começar respondê-las com mais palavras, mais eruditas palavras sem a tomada de consciência de quem está cansado de cometer os mesmos erros. Reforma íntima ganha outra dimensão quando despertamos para necessidades mais profundas do que a mera contensão das nossas imperfeições.